Doença cerebrovascular

Tratamento Endovascular vs. Medicamentoso em AVC Isquêmico da ACP

Escrito por Lorena Viana

Esta publicação também está disponível em: Português

Infarto no território da artéria cerebral posterior (ACP) responde por 6% a 9% dos pacientes com AVC isquêmico.1,2 AVC isquêmico no território da ACP pode resultar em perda de visão, perda de sensibilidade e/ou força contralateral e, ocasionalmente, redução do nível de consciência com infarto da artéria de Percheron.3 Enquanto as síndromes clínicas que afetam o território da ACP são consideradas menos graves em comparação com o AVC por oclusão da artéria basilar,4,5 suas consequências podem ser incapacitantes, com dificuldade para dirigir ou ler por exemplo.

No entanto, o manejo ideal de pacientes com oclusão isolada da artéria cerebral posterior é incerto. No estudo PLATO6, foram comparados os resultados clínicos da abordagem endovascular (EVT) versus tratamento medicamentoso (TM) em pacientes com oclusão da ACP. Foi um estudo de caso-controle multicêntrico, conduzido em 27 locais na Europa e América do Norte, com pacientes com oclusão isolada da ACP dentro de 24 horas do início dos sintomas, de janeiro de 2015 a agosto de 2022. Pacientes tratados com EVT ou TM (com ou sem trombólise endovenosa) foram comparados com regressão logística multivariada e probabilidade inversa de ponderação do tratamento. Os desfechos primários foram a mudança ordinal da Escala de Rankin modificada de 90 dias e diminuição de ≥2 pontos na Escala de NIHSS para AVC.

Os critérios de inclusão foram
(1) um paciente com diagnóstico de isquemia acidente vascular cerebral atribuível a uma oclusão PCA isolada de P1, P2, P3 ou P4;
(2) apresentação do paciente dentro de 24 horas após o início dos sintomas
(3) o paciente submetido a EVT ou MM com ou sem IVT
(4) Escala de Rankin modificada (mRS) prévia na admissão de 0 a 3.

Os pacientes foram excluídos se houvesse oclusão concomitante da artéria basilar ou oclusão de múltiplos vasos fora do território da ACP.

Dos 1.023 pacientes, 589 (57,6%) eram do sexo masculino com idade mediana de 74 (64-82) anos. A mediana da escala do NIHSS foi 6 (3–10). Os segmentos de oclusão foram P1 (41,2%), P2 (49,2%) e P3 (7,1%).

No geral, a trombólise intravenosa foi administrada em 43% e EVT em 37%. Não houve diferença entre os grupos EVT e TM na mudança da Escala de Rankin modificada de 90 dias (OR 1,13 [IC95% 0,85–1,50]; P=0,41). Houve maiores chances de uma diminuição na Escala NIHSS de AVC em ≥2 pontos com EVT (OR 1,84 [IC95%, 1,35–2,52]; P=0,0001). Comparado com TM, EVT foi associado a uma maior probabilidade de resultado excelente (OR 1,50 [IC95% 1,07–2,09]; P=0,018), recuperação completa da visão e taxas semelhantes de independência funcional (pontuação da Escala de Rankin modificada, 0–2), apesar de uma taxa mais alta de SICH e mortalidade (hemorragia intracraniana sintomática, 6,2% contra 1,7%; P=0,0001; mortalidade, 10,1% versus 5,0%; P=0,002).

Por isso, os autores concluíram que em pacientes com oclusão isolada da artéria cerebral posterior, a EVT foi associada a chances semelhantes de incapacidade pela Escala de Rankin modificada, maiores chances de melhora precoce da escala de AVC do NIH, e completa recuperação da visão em comparação com TM. Houve uma maior probabilidade de resultado excelente no grupo EVT, apesar de uma taxa mais alta de hemorragia intracraniana sintomática e mortalidade.

Veja também:

Referências:

1. Duloquin G, Graber M, Garnier L, Crespy V, Comby P-O, Baptiste L, Mohr S, Delpont B, Gu.niat J, Blanc-Labarre C, et al. Incidence of acute ischemic stroke with visible arterial occlusion: a populationbased study (Dijon Stroke Registry). Stroke. 2020;51:2122–2130. doi: 10.1161/STROKEAHA.120.029949

2. Ntaios G, Spengos K, Vemmou AM, Savvari P, Koroboki E, Stranjalis G, Vemmos K. Long-term outcome in posterior cerebral artery stroke. Eur J Neurol. 2011;18:1074–1080. doi: 10.1111/j.1468-1331.2011.03384.x

3. Strambo D, Bartolini B, Beaud V, Marto JP, Sirimarco G, Dunet V, Saliou G, Nannoni S, Michel P. Thrombectomy and thrombolysis of isolated posterior cerebral artery occlusion: cognitive, visual, and disability outcomes. Stroke. 2020;51:254–261. doi: 10.1161/STROKEAHA.119.026907

4. Abdalkader M, Finitsis S, Li C, Hu W, Liu X, Ji X, Huo X, Alemseged F, Qiu Z, Strbian D, et al. Endovascular versus medical management of acute basilar artery occlusion: a systematic review and meta-analysis of the randomized controlled trials. J Stroke. 2023;25:81–91. doi: 10.5853/jos.2022.03755

5. Alemseged F, Nguyen TN, Alverne FM, Liu X, Schonewille WJ, Nogueira RG. Endovascular therapy for basilar artery occlusion. Stroke. 2023;54:1127–1137. doi: 10.1161/STROKEAHA.122.040807

6. Nguyen TN, Qureshi MM, Strambo D. et al. Endovascular Versus Medical Management of Posterior Cerebral Artery Occlusion Stroke: The PLATO Study. Stroke. 2023;54:00–00. DOI: 10.1161/STROKEAHA.123.042674

Banner Atheneu

Banner Atheneu

Banner Atheneu

Banner ECG

Deixe um comentário

Sobre o autor

Lorena Viana

Deixe um comentário

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site