Atividade Física Prevenção

Capacidade física versus IMC, qual parece ser melhor preditor de sobrevida em Mulheres com Doenças Cardiovasculares?

Escrito por Silvio Póvoa

Esta publicação também está disponível em: Português

00Sabe-se que tanto a obesidade (IMC > 30 kg/m2) quanto baixos níveis de atividade física são fatores de risco para doenças cardiovasculares. De forma interessante, ao mesmo tempo que há crescimento da prevalência de sobrepeso e obesidade, ocorre aumento da prática de atividades físicas nos Estados Unidos1,2.  Por outro lado, ao passo que alguns estudos mostram aumento de mortalidade em homens e mulheres portadores de sobrepeso, alguns outros estudos mostraram relação inversa entre mortalidade e sobrepeso/obesidade3-5. Criou-se então , a partir disso, o “paradoxo da obesidade”6-8. Portanto, fica a pergunta: capacidade física versus IMC, qual parece ser melhor preditor de sobrevida em mulheres com doenças cardiovasculares ?

            Recente estudo publicado  no European Journal of Preventive Cardiology  trouxe alguns dados interessantes sobre capacidade física versus IMC em mulheres9. A população foi estudada foi do coorte prospectivo WISE , no qual mulheres foram selecionadas de 1997-2001.  As mulheres foram dividas em 6 grupos , que combinavam capacidade física (fit x não fit )  com peso normal, sobrepeso ou obesidade

  • IMC normal , fit
  • IMC normal, não fit
  • Sobrepeso , fit
  • Sobrepeso, não fit
  • Obesidade, fit
  • Obesidade, não fit

IMC normal foi classificado como < 25 kg/m2; Sobrepeso 25–29 kg/m2; Obesidade > 29 kg/m2.  Foi considerada “fit” a capacidade funcional, mensurada pelo Duke Activity Status Index (DASI)  > 7 METS ,e não-fit como < 7 METS.

Mulheres com boa capacidade funcional (“fit) e portadoras de sobrepeso e obesidade tiveram,  respectivamente, menos 38 e 40% de chances de morrer por qualquer causa do que mulheres com IMC normal . Mulheres com IMC normal e não fit tiveram 65% de aumento do risco de eventos cardiovasculares.  O estudo HUNT notou que indivíduos mais ativos fisicamente tinham reduzidas chances de mortalidade cardiovascular por todas as causas10. Diferentemente do estudo WISE,  IMC mais alto apenas se associou com aumento de sobreviva em pacientes que não praticavam atividades físicas. Essa diferença pode ser explicada pela forma pela qual se mensurou atividades físicas nos estudos ou por diferenças populacionais.   De forma interessante, o estudo WISE trouxe consigo a característica de olhar para mulheres, frequentemente sub representadas em estudos.

Médicos frequentemente orientam a perda de peso em mulheres. Essa medida pode ser contraproducente ou até deletéria, de acordo com a literatura acima.

Opinião do autor

Peso ainda é socialmente algo estigmatizado. Vale lembrar que o estudo em questão possui algumas falhas / pontos a serem observados com atenção. A capacidade funcional foi avaliada por um questionário (DASI) e não por teste ergoespirométrico ou ergométrico, e por vezes a avaliação de sobrepeso e obesidade traz consigo questões socioeconômicas que possivelmente não foram abordadas

A cobrança social por um corpo magro traz por diversas oportunidades uma dificuldade de acesso a esse tema, uma vez que a questão estética pode ser misturada equivocadamente com o componente de saúde.

A atividade física além de ser fator de prevenção de risco cardiovascular é aliada na perda de peso e na manutenção do peso atingido.

Dessa forma, o que podemos trazer do estudo em questão, sobre capacidade física versus IMC em mulheres? Que o convite para a prática de atividades físicas talvez seja a prioridade na hora de abordar essas questões, inclusive, por ser aliada na questão do tratamento da obesidade e do sobrepeso. 

(Veja também mais sobre atividade física e mortalidade: https://d3gjbiomfzjjxw.cloudfront.net/exercicio-fisico-e-aptidao-cardiovascular/)

REFERÊNCIAS 

  1. Virani SS, Alonso A, Benjamin EJ, Bittencourt MS, Callaway CW, Carson AP, . Chamberlain AM, Chang AR, Cheng S, Delling FN, Djousse L, Elkind MSV, . Ferguson JF, Fornage M, Khan SS, Kissela BM, Knutson KL, Kwan TW, Lackland . DT, Lewis TT, Lichtman JH, Longenecker CT, Loop MS, Lutsey PL, Martin SS, . Matsushita K, Moran AE, Mussolino ME, Perak AM, Rosamond WD, Roth GA, .Sampson UKA, Satou GM, Schroeder EB, Shah SH, Shay CM, Spartano NL, .Stokes A, Tirschwell DL, VanWagner LB, Tsao CW; American Heart Association Council on Epidemiology and Prevention Statistics Committee and Stroke . Statistics Subcommittee. Heart disease and stroke statistics-2020 update: a report from the American Heart Association. Circulation 2020;141:e139–e596. .
  2. Palmer MK, Toth PP. Trends in lipids, obesity, metabolic syndrome, and diabetes . mellitus in the United States: an NHANES analysis (2003-2004 to 2013-2014). . Obesity (Silver Spring) 2019;27:309–314. .
  3. Calle EE, Thun MJ, Petrelli JM, Rodriguez C, Heath CW Jr. Body-mass index and . mortality in a prospective cohort of U.S. adults. N Engl J Med 1999;341: . 1097–1105. .
  4. Manson JE, Willett WC, Stampfer MJ, Colditz GA, Hunter DJ, Hankinson SE, . Hennekens CH, Speizer FE. Body weight and mortality among women. N Engl J . Med 1995;333:677–685. .
  5. Wang ZJ, Zhou YJ, Galper BZ, Gao F, Yeh RW, Mauri L. Association of body . mass index with mortality and cardiovascular events for patients with coronary . artery disease: a systematic review and meta-analysis. Heart 2015;101: . 1631–1638. . .
  6. Romero-Corral A, Montori VM, Somers VK, Korinek J, Thomas RJ, Allison TG, . Mookadam F, Lopez-Jimenez F. Association of bodyweight with total mortality . and with cardiovascular events in coronary artery disease: a systematic review of . cohort studies. Lancet 2006;368:666–678. .
  7. Lavie CJ, Milani RV, Ventura HO. Obesity and cardiovascular disease: risk factor, . paradox, and impact of weight loss. J Am Coll Cardiol 2009;53:1925–1932. .
  8. Lavie CJ, Alpert MA, Arena R, Mehra MR, Milani RV, Ventura HO. Impact of . obesity and the obesity paradox on prevalence and prognosis in heart failure. . JACC Heart Fail 2013;1:93–102.
  9. Odayme Quesada, Marie Lauzon, Rae Buttle, Janet Wei, Nissi Suppogu, Sheryl F Kelsey, Steven E Reis, Leslee J Shaw, George Sopko, Eileen Handberg, Carl J Pepine, C Noel Bairey Merz, Body weight and physical fitness in women with ischaemic heart disease: does physical fitness contribute to our understanding of the obesity paradox in women?, European Journal of Preventive Cardiology, Volume 29, Issue 12, September 2022, Pages 1608–1614, https://doi.org/10.1093/eurjpc/zwac046
  10. Moholdt T, Lavie CJ, Nauman J. Interac- tion of physical activity and body mass index on mortality in coronary heart disease: data from the Nord-Trøndelag Health Study. Am J Med. 2017;130:949–957. doi: 10.1016/j. amjmed.2017.01.043

Banner Atheneu

Banner Atheneu

Banner Atheneu

Banner ECG

Deixe um comentário

Sobre o autor

Silvio Póvoa

Deixe um comentário

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site